#queroganhar

Apesar de nascida em Maceió, fui criada no interior do interior de Tocantins, em uma escola-fazenda de nome Canuanã que era rodeado pelo verde da floresta, banhada pelas geladas águas do rio Araguaia, repleta de bichos “exóticos” e livre, além de fazer fronteira com terras indígenas. Fui criada solta. As portas estavam sempre abertas e nossa única preocupação era manter sempre fechada a tela que dificultava a entrada dos insetos e caranguejeiras. Lembro-me de como o tempo parecia passar rápido naquele lugar… saia cedo pra jogar bola  na rua com meus amigos e em um piscar de olhos já era noite,  mainha aparecia na porta me chamando pra jantar. “Ahhhh… só mais um pouquinho mãe”. E aquele pouquinho durava boa parte da noite, até já não aguentarmos mais de tanto correr ou até alguém (geralmente eu) se machucar – minha mãe deve ter tido uma visão comigo e, prevendo a filha que teria, teve a brilhante ideia de se especializar em Pediatria; eu fui sua maior paciente, sem dúvida! Todo dia era um lugar diferente pra remendar.

Quando paro pra relembrar a época que vivi em Tocantins, lembro da cor do céu no fim de tarde, do barulho da cigarra e dos pássaros, do cheiro de terra molhada, das fortes chuvas, dos trovões e das estrelas, lembro de todas as frutas que arranquei do pé, dos imensos balanços espalhados pelas árvores, dos acampamentos na beira do rio, das partidas de truco com os amigos e  também de como era bom sentar na calçada da minha casa e conversar com as pessoas que passavam. Em Canuanã todos se conheciam, passei um tempo achando que isso era chato demais, até que, na adolescência, resolvi voltar a morar em Maceió. E aos 15 anos de idade, me vi trancada em um apartamento de 3 andares onde todos se cumprimentavam, mas ninguém se conhecia. Além de uma porta trancada, tinha uma grade com cadeado pra me deixar segura. Mas não deixava. Eu me sentia totalmente desprotegida de todas aquelas pessoas distantes. Na cidade as coisas eram diferentes demais da realidade simples que eu estava acostumada.

Hoje, 9 anos depois de ter voltado pra Maceió, eu não me sinto mais tão perdida quanto antes, mas ainda me sinto extremamente angustiada quando percebo que as crianças de hoje em dia estão sendo entorpecidas por aparelhos eletrônicos e “domesticadas” a brincarem no cubículo do playground de seus condomínios de luxo, enquanto as praças e outros espaços públicos estão abandonados pelo Poder Público e não oferecem se quer uma estrutura digna para que sejam ocupados. As cidades não foram feitas para as pessoas, bom exemplo são as nossas calçadas que não proporcionam um bom passeio, são completamente impróprias para o pedestre e fora dos padrões exigidos. Isso, atrelado à insegurança e outros fatores sociais, contribui para termos uma cidade vazia, sem vida, sem pessoas, diálogo e afeto. Uma verdadeira bola de neve que só tende a crescer.

Por esse e outros motivos é que gosto de me envolver com ações que valorizam os espaços públicos, que fazem a população refletir sobre a qualidade de vida atual. E sempre que conheço alguém que também pensa assim ou que me deparo com algum projeto que busca mudar um pouquinho a realidade cinzenta das nossas cidades, meu coração se enche se esperança. Pequenos gestos e intervenções são capazes de modificar paradigmas – e se não, pelo menos arrancam sorrisos de todos que se envolvem. E isso já não é incrível? Eu acredito na força das pessoas e que juntos podemos construir a cidade (e o mundo) que queremos pra nós, pros nossos filhos e pros nossos netos.

Se mais alguém acreditar, já viramos plural.


 

promoção

 

Inspirada pelo mês dos namorados e por toda delicadeza dos guardanapos poéticos de Daniel Viana (que já havia comentado aqui nesse post ), resolvi sortear um exemplar do seu livro #100contospor10contostrocados lá na página do Rabiiisco, no Facebook. Visite e veja como participar, o sorteio acontecerá no dia 30/06. Aproveite e comente aqui o que você gostaria que mudasse em sua cidade ou me fale sobre algum projeto de intervenção urbana que tenha conhecimento ou que participe.

😀

Anúncios

Delicadeza urbana

Imagem

 

 

“E que tenha o peso de um pacotinho de suspiro”

Soou poesia e foi o bastante para me sacudir. Fiquei alguns minutos diante do papel encarando aquela frase e, por mais inquieta que eu estivesse naquele momento, tudo pareceu tranquilo. A vida se mostrou bonita outra vez e a vontade de escrever voltou.

Foi assim o meu encontro com “100 contos por 10 contos trocados”, um projeto idealizado pelo mineiro Daniel Viana, que vivenciando o distanciamento das pessoas na grande São Paulo teve sensibilidade e a incrível ideia de trocar causos por contos.  Funciona assim: em algum canto da frenética cidade, lá está o rapaz juntamente com sua mesinha, uma máquina de escrever, guardanapos e uma cadeira vazia à espera de alguém que desacelere o ritmo e se disponha sentar e contar. Simplesmente contar! Amores, desamores, família, trabalho, música, sonho, qualquer coisa. E em troca, Daniel presenteia com lindos poemas datilografados em guardanapos.

Como se a delicadeza de sua escrita, por si só, não fosse suficiente para expressar a grandeza do seu gesto; ouso dizer que existe algo maior a ser refletido. Precisamos pensar sobre a vida que levamos hoje, avaliar as prioridades e traçar um propósito. Tudo evolui, eu sei, mas existem coisas básicas que não devem mudar:  O sorriso, o abraço, a conversa… coisas assim não podem ser perdidas com o tempo. Não podemos deixar que os afazeres, as tecnologias e medo nos ponham dentro de redomas e nos obriguem a viver ali. Ninguém é feliz sozinho, afinal. Precisamos de espaço, movimento, delicadeza e, sobretudo, das pessoas!

 

“Em toda correria, cadeira.
Para e-mails não respondidos, olhos nos olhos.
Para todas as palavras não ditas, papel”

 

 


O livro de Daniel Viana custa 10 reais e pode ser comprado através de sua página no Facebook  – o frete fica por conta do autor. Conheça o projeto: 100 contos por 10 contos trocados