Joana.

Acordou. Levantou. Escovou. Refrescou. Vestiu. Comeu. Leu. Saiu. Malhou. Nadou. Suou. Voltou. Despiu. Banhou. Vestiu. Comeu. Saiu. Chegou. Cumprimentou. Bajulou. Arrumou. Respondeu. Assinou. Explicou. Assinou. Entregou. Trabalhou. Saiu. Almoçou. Pensou. Leu. Voltou. Cumprimentou. Bajulou. Bajulou. Bajulou. Trabalhou. Sentou. Descansou. Tocou, atendeu. Aceitou. Saiu. Encontrou. Abraçou. Beijou. Jantaram. Pagou. Dirigiu. Chegou. Abriu. Entraram. Abraçou. Beijou. Despiu. Beijou. Transaram. Cansou. Parou. Levantou. Vestiu. Despediu. Partiu. Dirigiu. Correu. Pensou. Chorou. Chorou. Chorou. Correu. Chegou. Parou. Desceu. Caminhou. Abriu. Entrou. Trancou. Acendeu. Apagou. Acendeu. Apagou. Acendeu. Despiu. Lavou. Chorou. Saiu. Vestiu. Desceu. Pensou. Ligou. Calou. Desligou. Subiu. Leu. Escreveu. Chorou. Deitou e dormiu. Joana…

… Estava cansada daquela vida, sentia-se infeliz.
Nada fazia sentido. Nada acelerava seu coração. Nada.
Seu verdadeiro amor estava distante. E ela, sentia-se solitária.
Mas continuava vivendo, na esperança de encontrá-lo um dia.
Não é possível escrever a história de Joana sem a dele para completá-la.
Ela está cansada de só fazer sentido. É triste. Quer ligação.
Precisa dele, sua coesão, para então existir de verdade.
Torçam por eles, p
or ela, sei lá!
Anúncios

20 comentários sobre “Joana.

  1. Fernanda, muito obrigada por suas palavras lá no Não quero Falar disso! =D

    No mais, já gostei do seu texto de cara, amo o nome Joana, se não gostasse so Luana eu trocaria por Joana.. e no mais… texto perfeito mesmo!

    Fico aqui torcendo!

    Bjos

  2. Os verbos transitivos dela não pedem complemento. Talvez por isso ela seja solitária. Até as palavras se sentem solitárias.

    PS: Boa sorte no vestibular, eu vou começar a minha batalha nos próximos finais de semana, céus

  3. provavelmente o melhor blog da internet!
    adorei! Joanas e mais Joanas estão espalhadas por aí, em busca dele. Eu mesma, sou uma delas que não encontra sentido sem ele.
    Hoje, eu percebi que estava cansada de fazer planos. Nenhum deles tem ele. Logo, desisti de me enganar e tentar fazê-los fazer sentido. Não fazem. Sem ele, meu futuro não faz sentido.
    Hoje, depois de tanto tempo, me bateu uma saudade. Saudade da sensação que a saudade dele me trazia. Passar meus dias contando as horas pra ve-lo; olhar nos seus olhos e me perder… Mas, em seguida, encontrar-me na essência do fervor do seu duplo olhar, silencioso e eloquente, amável e confrontador, temível, horrível, mas, sem dúvida, irresistível…
    E, depois dessa saudade de saudade, me veio algo novo, diferente. Daria até pra chamar de convicção, confiança, se não me desse uma borboletação estranha na boca do estômago, me tirando totalmente do falso controle que a ilusão de que eu consigo ser eu sem ele me trazia. E é esse algo diferente que me traz essa vontade de Te ver, mesmo que para isso eu tenha que enfrentar uma monstruosa quimera, atravessar um mar revolto ou simplesmente encarar o metrô no horário de pico. Aí, divertindo-me com seu ar de surpresa, abraça-lo e susurrar nos seus ouvidos as palavras que tem movido as engrenagens de minha vida:

    MESMO QUE EU QUISESSE, NÃO CONSEGUIRIA SEM VOCÊ!!!

    o problema é que eu ainda não o vi. não sei a cor de seus olhos, não sei a textura de seus cabelos, não sei o som de seu riso. só sei que ele é lindo! e que sua voz é a mais doce do mundo! então, por favor, se você encontrá-lo, se você ve-lo, não esqueça de bater na minha porta!

  4. O texto me lembrou aquele conto Circuito Fechado, mas aqui ficou bem melhor eu acho.. em parte pelo pouco mérito do Ricardo Ramos – que é um contista ruim -, em outra, mais relevante, pela sua própria qualidade em tentar subverter os elementos mais convencionais da nossa língua em prol de um texto mais subjetivo, cuja construção imagética caiba mais ao leitor que ao autor. Bom, claro que a mim não apetece escrever algo assim, não consigo – nem pretendo – fugir do papel convencional de quem produz algo, então distancio-me desse “estilo” (não é um estilo mas eu não encontrei palavra melhor) e por isso provavelmente não valorizei tanto este miniconto tanto quanto os outros (contos em si). Mas eu o aprecio pela própria expectativa de ver a Joana viver a sua vida, sou fissurado em reparar nessas coisas da vida do outro, acho que há algo de mais interessante nisso do que viver tão recluso e incapaz de fazer o que tu pede: torcer para ela, ou para ela e seu parceiro distante, que seja. Eu torço. A essa altura, a essa hora, é o que me resta; mas acho que nisso faço a coisa certa. Sucesso pra Joana. Um beijo, até a vista.

deixe um rabiiisco seu

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s